Página Inicial
  Quem Somos
  Acordos e Convenções
   de Natureza Econômica
  Acordos e Convenções
   Horário de Trabalho
  Associe-se
  Assessoria Jurídica
  Atendimento    Odontológico
  Base Territorial
  Certificado REPIS
  Contribuições On-line
  Cartão Comerciário /   Convênios
  Colônia de Férias
  Clube dos Comerciários
  Diretoria
  Galeria de Fotos
  Homologações
  Informativo / Jornal
  Notícias
  Quadro de Acordo
   de Compensação
  Sede / Escritórios
   Regionais
  Fale Conosco
 
 
 
 

Notícias

Folha publica artigo de Motta sobre MPs prejudiciais aos trabalhadores
Dia: 23/06/2015


Quem paga a conta é o trabalhador

Aprovadas no Senado, as Medidas Provisórias 664 e 665 dificultam o acesso à concessão de benefícios trabalhistas fundamentais para a segurança financeira do trabalhador e dependentes.

As MPs fazem parte do pacote de ajuste fiscal do governo federal e significam que, mais uma vez, quem paga a conta de todos os problemas econômicos do país é o trabalhador.

São atingidos pelas medidas o abono salarial, seguro-desemprego, pensão por morte e auxílio-doença. Essas novas regras representam impacto maior exatamente nas classes que mais necessitam.

Um exemplo é a mudança na concessão do seguro-desemprego, que teve o tempo mínimo de empresa para o pedido do benefício aumentado, além da diminuição no número de pagamentos para o desempregado.

Esse tipo de mudança é um golpe para os trabalhadores que estão começando suas carreiras.

Um exemplo é a categoria comerciária, dominada por trabalhadores jovens - cerca de 28% dos comerciários possuem de 18 a 24 anos e 19% estão entre 25 e 29 anos. Muitos deles estão no primeiro emprego, buscando estabilidade para pagarem estudos ou mesmo para ajudar no sustento da família.

Em uma realidade econômica como a enfrentada no país, com inflação e um risco de desemprego elevado, esses trabalhadores são os mais afetados.

Acompanhadas de cortes do orçamento de ministérios como Saúde, Transportes, Educação e Cidades, as mudanças das MPs são um golpe na estabilidade dos trabalhadores, que já sofrem com o panorama do Brasil.

O governo apela para direitos trabalhistas em vez de fazer mudanças estruturais importantes.

Questões como os sistemas de ingresso no mercado de trabalho, desenvolvimento e qualificação profissionais e até melhor regulação do mercado de trabalho são apenas alguns dos exemplos possíveis de mudanças positivas para o Brasil que deveriam estar em pauta, muito mais importantes do que as medidas que ceifam os direitos do trabalhador e contribuem com a instabilidade financeira.

O governo brasileiro está cercado de diversos problemas econômicos que devem ser enfrentados urgentemente, mas essa conta não é dos profissionais que fazem a roda girar.

Pelo contrário, cabe ao Estado ampará-los em momentos de crise, garantindo a estabilidade financeira que é seu direito.

Nesse momento crítico, é extremamente importante que as centrais sindicais mantenham sua oposição às medidas, representando os trabalhadores e lutando contra o retrocesso dos direitos trabalhistas.

LUIZ CARLOS MOTTA é presidente da Fecomerciários - Federação dos Empregados no Comércio do Estado de São Paulo e UGT-SP – (União Geral dos Trabalhadores do Estado de São Paulo)

 
 
 
 
 
 
 
 
Base Territorial: Adamantina - Arco-Íris - Bastos - Flora Rica - Flórida Paulista - Herculândia - Iacri - Inúbia Paulista - Lucélia - Mariápolis
Osvaldo Cruz - Parapuã - Pracinha - Queiroz - Quintana - Rinópolis - Sagres - Salmourão - Tupã


Sede: Rua Guaianazes 596, Centro - Tupã / SP - Fone (14) 3496-4535 - E-mail: sincomerciarios@sincomerciariostupa.org.br
Esc. Reg: Rua Salgado Filho 150, Sala 5 - Osvaldo Cruz / SP - Fone (18) 3528-7529 - E-mail: osvaldocruz@sincomerciariostupa.org.br
Esc. Reg: Al. Navarro de Andrade 429, Adamantina / SP - Fone (18) 3522-3937 - E-mail: adamantina@sincomerciariostupa.org.br
Sede Recreativa: Clube dos Comerciários - Rua Aimorés, 811 - Centro - Tupã / SP - Fone (14) 3441-5082 - E-mail: clube@sincomerciariostupa.org.br